Imagine viajar 43 mil quilômetros sem precisar de um pingo de combustível sequer. Parece impossível, mas foi essa a façanha realizada por dois pilotos suíços em 2016, depois de mais de 16 meses de viagem (10 destes meses eles ficaram parados no Havaí devido a problemas técnicos), e só foi viável graças ao primeiro avião movido a energia solar do mundo.

 

Mountain View, EUA, 23 de abril de 2016: Solar Impulse aterrisou no Aeródromo de Moffett, completando a travessia do pacífico.

Pesando apenas 1.5 ton, e construído com fibra de carbono, o Solar Impulse II foi o primeiro avião elétrico capaz de dar a volta ao mundo, realizando um total de 17 paradas ao redor do globo e e batendo o recorde de cinco dias seguidos de viagem.

 

Apesar de revolucionário, esta tecnologia ainda está engatinhando, e o transporte de vários passageiros ou de carga ainda depende dos motores térmicos atuais. Para transportar os dois pilotos, o avião que utiliza energia solar necessitou de uma superfície comparável a de um avião de grande porte, e apesar do peso extremamente baixo, ele tem a envergadura de um 747.

 

Por outro lado, é possível imaginar que agora, drones e pequenos aviões ligeiros recarregáveis em terra possam ser possíveis, e nas próprias palavras de um dos pilotos, no momento em que pousaram e consagraram sua volta ao mundo, “agora dá para voar sem combustível e que essa é a hora de ir além”. Um discurso aplaudido pelos Emirados Árabes Unidos, um dos dez maiores produtores de petróleo do mundo.